H1N1 não é “marola”


Fotos: Roberto Sena / Nokia 7500
virus
Máscaras estão presentes por todos os corredores do Hospital Ipiranga.

Quando se está em casa, acompanhando as notícias do conforto do lar, vemos as coisas acontecer e as vezes não nos damos conta da gravidade de tal fato, creio que na maioria das vezes é porque achamos que nunca vai acontecer conosco, ou que em breve tudo voltará ao normal, e era o que eu acha, até ter que ir à um hospital hoje.

Visitei o Hospital Ipiranga, que faz parte da rede pública de saúde. Mesmo por ser um hospital do governo, lá parece tudo funcionar, pelo menos fiquei na espera pelo clínico geral ums 15 minutos, tempo considerado perfeito, mesmo para um horário calmo(aprox. 17:00).

Por todos os corredores podia-se notar o medo de todos, tanto dos funcionários do lugar, quanto dos próprios pacientes, que já pegavam a sua máscara logo na entrada. Como se não bastasse a Organização Mundial da Saúde desistiu de contabilizar os casos há muito tempo, e essa semana o diretor de Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde, Eduardo Hage, disse que é possível acreditar que 60% das pessoas gripadas estejam contaminadas com o vírus da Influenza A (H1N1). Por mais que a mídia tenha dado real importância ao novo vírus, nas ruas tudo parece mil maravilhas.

Quando o governo diz que não há motivos para alarde, não é aconselhável escultar. Basta lembrar que uma certa vez nosso presidente disse que essa crise econômica que assola o Brasil(em escala menor) e o mundo era só uma “marola”.

Anuncios

One thought on “H1N1 não é “marola”

  1. Gripe suina nao exiiistee_e (Diz minha pequena imitando a frase que usa para se defender do medo que sente do bicho papão, provalemente deram aula de gripe na escolinha e eu mesma ja me peguei, em vez de explicar, falando: lava a mão, poe o chinelo, se agasalha, o_óolha a gripe suina).

    Infelizmente, filha, não é uma história de assustar crianças, e só o que podemos fazer é seguir as orientaçoes que nos deram.

Los comentarios están cerrados.