Bicicletas: talvez a única saída para o caos do trânsito


Fotos: Roberto Sena

Sinalização em plataforma de estação do Metrô.

Desde o final do mês passado quatro estações de Metrô da cidade estão oferecendo o serviço de aluguel de bicicletas. Durante uma hora, o uso é gratuito, e ao passar desse tempo passa a ser cobrado R$ 2 por hora adicional. Para alugar a bicicleta é preciso fazer um cadastro que exige cópias de um documento com foto e do cartão de crédito. Com o projeto, a prefeitura pretende incentivar o uso desse transporte na cidade e tentar desafogar (um pouco) o trânsito congestionado.

Ao que parece, o governo está se dando conta de que uma das saídas para todo esse caos é a esquecida e saudável bicicleta, até porque foi anunciado na semana passada a construção de uma enorme ciclovia na Marginal do Rio Pinheiros, agora só resta saber se isso vai sair do papel. A prefeitura insiste em dizer que Sampa tem 23,5km (sendo que 19km ficam dentro de parques), mas segundo o site Ciclobr esse número está equivocado.

Enfim, retornando ao assunto do aluguel das bicicletas nas estações do Metrô, o projeto começa nas estações Corinthians-Itaquera, Guilhermina-Esperança, Sé e Carrão, com 10 unidades disponíveis em cada. A prefeitura informa ainda que até o fim deste mês serão implantados mais quatro bicicletários: nas estações Paraíso, Anhangabaú, Vila Mariana e Marechal Deodoro.

Segundo a prefeitura, serão criadas ciclovias nas regiões próximas dos bicicletários. O primeiro trecho será inaugurado amanhã, entre as estações Corinthians-Itaquera e Guilhermina-Esperança, com 6 km de extensão. O percurso deve ganhar outros 6km, chegando até a estação Tatuapé, sem data prevista para inauguração.

Aproveite pra ver fotos de algumas estações!

Anuncios

4 thoughts on “Bicicletas: talvez a única saída para o caos do trânsito

  1. Podiam fazer isso aqui no Rio também…
    Sou apaixonada por uma magrelinha… Rsrs. Mas é muito perigoso andar pelas ruas sem o devido espaço para isso.

    Beijo!

  2. Bom sei lá se bicicletas em São Paulo é uma boa, ponto 1 a cidade tem uma dimensão de trânsito muito grande e os acidentes seriam quase que certos e talvez fatais. Ponto 2 a cidade de São Paulo tem milhões de subidas e descidas e olha subir uma das ladeiras paulistas de bicicleta vai exigir um condicionamento físico absurdo do ser humano que se aventurar, já morei em Sampa nóia city e do que conheço o terreno, ele não estimula muito a pessoa a pedalar. Mas em algumas áreas talvez funcione , com a adoção de ciclovias e afins.
    Moro hoje numa cidade litorânea , mais precisamente Praia Grande ( a Long Beach paulista rss) e aqui bicicleta é mais ou menos como grama, tem em todo canto, mas aqui andar é moleza, tudo plano e com o ventinho vindo do mar.
    Já em Sampa seriam subidas de fazer o ser humano dar seta com a língua, fumaça na cara do coitado do ciclista e no verão aquele delicioso efeito estufa fazendo o sangue ferver. Praticamente um sonho… rsss

  3. A idéia é boa, aqui em Paris tem o mesmo projeto , se chama velib, tem em quase toda a cidade.
    Existem dois problemas, as vezes você nao acha estaçao livre para deixar a bicicleta e como elas ficam em ‘ livre servico’ as vezes elas estao em péssimo estado.
    Outro grande problema é segurança no transito, aqui em Paris que é ma cidade pequena perto de Sao Paulo ja houve 2 mortes em acidentes envolvendo essa bicicletas e caminhoes.
    Sem contar a questao da segurança, ja que o capacete nao é exigido, ha um ano eu mesma fui vitima de um acidente eu estava sem capacete.
    Eu derrapei com bicicleta e bati a cabeça no poste, conclusao, 5 pontos na cabeça e uma ma recordaçao.

Los comentarios están cerrados.